INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sábado, 21 de junho de 2014

Campinarte Huayrãn Ribeiro / Nem tudo que é comum é normal

Estamos vivendo uma época no mínimo estranha. Estamos vivendo a época da subversão de valores que antes eram cultuados como fundamentais para uma vida reta. Parece que hoje vale tudo para se alcançar um objetivo. Não importa os meios, não importa a maneira, contanto que se chegue lá no topo.
Antigamente, o mal era reconhecido como coisa má, o assassínio como assassínio, mas hoje o assassínio é meio de alcançar um resultado benéfico para o homem. Sacrificamos o presente ao futuro, e pouco importa os meios de que nos servimos, desde que nosso propósito expresso seja o de produzir um resultado que, dizemos trará um fim justo, e justificamos o meio injusto com idéias.
Os grandes heróis, aqueles que são admirados, venerados, são os vilões das histórias, seja no cinema, teatro, televisão, no esporte e o que é pior, na vida real. Conhecemos bem o poder da propaganda a favor dessa situação. Esta é uma das maiores calamidades que pode acontecer: empregar idéias como meio de transformar o homem no sentido de não dar importância ao homem. O homem perdeu toda a importância. A vida passou a não ter nenhuma importância, nenhum significado. Temos uma soberba estrutura de idéias para justificar o mal. Estamos ou não vivendo uma época no mínimo estranha?

Precisamos refletir e ficar atentos às manobras da mídia
Uma delas é a extraordinária importância que é dada a valores como à propriedade, ao nome, à nação, à etiqueta, às religiões.
A mídia, através da propaganda, quer nos fazer acreditar que isso é predominantemente importante e se não abrirmos os olhos acabaremos acreditando e nos tornando prisioneiros de coisas, títulos, cargos, posições sociais, status. Tão importantes se tornaram as coisas fabricadas pela mão ou pela mente, que por causa delas, estamos matando, destruindo, massacrando, liquidando. Estamos nos abeirando de um precipício. Cada uma de nossas ações está nos levando para lá; toda ação política, toda ação econômica, está fatalmente nos conduzindo para o precipício.
Precisamos dar um basta a tudo isso. Para dar um basta a tudo isso se faz necessário muita reflexão. Para que haja reflexão é preciso parar e deixar a mente quieta, observar com a mente quieta. Só assim teremos condições de perceber com clareza os fatores de motivação de todo esse caos social a que estamos sendo levados. Só assim teremos condições de perceber que nem tudo que é comum hoje em dia é normal.