INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 6 de março de 2012

Campinarte - Huayrãn Ribeiro / A mídia propaga em todo o mundo a idéia de que a violência é normal e compensa

Já está passando da hora
Cabe aos pais e professores minimizar o heroísmo estimulado por filmes e pela TV para não banalizar a morte. Crimes cometidos por menores de 13 anos têm aumentado e muito. São crianças que levam armas para escola, atacam, ferem ou matam colegas e cometem abuso sexual contra os mais novos. Uma cultura como a nossa atual, que estimula a competição e mostra em filmes que se pode matar para conseguir o que se quer, só pode aumentar a confusão mental dessas crianças. Por que não incentivar o uso de brinquedos e jogos educativos ao invés de armas? É fundamental conversar com a criança. Mostrar que o ideal de herói que mata todo mundo é bobo e irreal e que armas não são símbolos de força ou status, mas sim objetos fatais.
No mundo inteiro crianças apontam como seu maior modelo de comportamento os heróis de filmes de ação. Os heróis violentos ficam bem à frente na preferência infantil, vindo antes dos astros internacionais e músicos, líderes religiosos ou políticos. A TV domina a vida das crianças em todo o mundo. Elas dedicam, em média, 50% a mais de seu tempo à TV do que qualquer outra modalidade. A mídia propaga em todo o mundo a idéia de que a violência é normal e compensa. Assim, com a banalização da violência, as crianças passam a ter referenciais distorcidos.
A criança mediana que vê TV com certeza testemunha milhares de assassinatos e milhões de atos de agressão por dia. Evidentemente que a violência televisiva está entre os diversos fatores sociológicos que contribuem para a violência na sociedade, até porque as crianças como foi dito, passam mais horas diante da TV do que na escola, por exemplo.
Outra coisa são os jogos de computador. Cada vez mais recheados de violência atraindo legiões de adeptos que se deleitam com sangue e partes do corpo espalhados pela tela do computador. Se depender dos usuários quanto mais sangue melhor. Podemos encontrar jogos em que é muito comum uma matança indiscriminada, batalhando contra dezenas de participantes pela Internet em duelos chamados de jogos de morte. O mais interessante é que os pais assistem a tudo isso e nada fazem, e em muitos casos, também jogam junto com os próprios filhos.
O leitor não acha que já está passando da hora de dar um basta a esta situação? O leitor não acha que já está passando da hora para uma reflexão séria sobre esses filmes, a TV, esses jogos de computador? O leitor não acha que já está passando da hora?