INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS
O Campinarte é independente. Não recebe subvenção de nenhuma prefeitura, governo de estado e muito menos do governo federal. Não somos uma organização não governamental, fundação, associação ou centro cultural e também não somos financiados por nenhum partido político ou denominação religiosa. Não somos financiados pelo tráfico de drogas ou milicianos. Campinarte Dicas e Fatos, informação e análise das realidades e aspirações comunitárias. Fundado em 27 de setembro de 1996 por Huayrãn Ribeiro.

Pesquisar este blog

VOCÊ É O VISITANTE

Translate

Edição de Junlo / 2018

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Leia Também

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Talentos Campinarte / Robinho (batera)

Robinho (28 anos) é de Santa Cruz da Serra (Duque de Caxias-RJ), e criou gosto pela música ainda bem pequeno quando seus pais o levavam para a igreja. Participou de corais, festivais evangélicos e graças a essas participações aqui e ali foi descobrindo aos poucos que o que ele queria mesmo era ser baterista e a partir daí passou a se dedicar com mais afinco, estudando, ouvindo grandes bateristas e seguindo a mesma trilha daqueles que ele tanto admira na música.
Robinho tem como referências dois bateristas: Quico Freitas e Julinho Moreira. Mas, Robinho não poderia deixar de citar Robertinho Silva - Robinho estudou na Escola de Robertinho Silva (Escola Batucada centro do RJ) que hoje é dirigida por Ronaldo Silva (filho de Robertinho) e teve também uma passagem pela Escola de Música Villa Lobos.
Para Robinho (como instrumentista), com certeza, a maior batalha a ser vencida será essa (quase) aversão do grande público pela música instrumental. O povão não tem o hábito de ouvir música instrumental, as emissoras de rádio também não dão destaque, a televisão idem, mas, Robinho é jovem e tem muito pela frente e saberá traçar o seu caminho pelo mundo da música porque talento é o que não lhe falta. 
Como todo mundo tem que se virar, com Robinho não poderia ser diferente. O nosso baterista constantemente é chamado para participar de gravações de diversas bandas de forró, gospel, pagode, etc., de onde tira o seu "cascalho" além da oportunidade de conhecer novos músicos, arranjadores, cantores e segundo o próprio Robinho apesar de ser estressante não deixa de ser (no final) gratificante.