INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

domingo, 25 de maio de 2014

Campinarte Huayrãn Ribeiro / Não conheço nada mais resistente que o povo

Não conheço nada nesse mundo mais resistente que o povo. Não acredito que haja no universo alguma coisa mais resistente que o povo.
O povo não quebra (enverga), mas não quebra, o povo resiste.
O povo é submetido a todas as modalidades de perversões com requintes de crueldades e continua ali, firme e forte, resistindo.
O povo é empurrado morro acima para despencar morro abaixo nas primeiras chuvas e em meio aos cacos e trapos coberto de lama e de barro o povo ressurge intacto, ileso, inteiro, para desespero de seus algozes.
O povo (penso eu) é imortal. O povo não quebra (enverga), mas não quebra, o povo resiste.
O povo é empurrado ladeira abaixo para ser mandado para o andar de cima e tentam de tudo para exterminá-lo: susto, bala e vício, mas não adianta porque o povo resiste.
Não conheço nada mais resistente que esse tal de povo que na verdade é tão resistente quanto teimoso.
Com o povo ninguém pode: nem trombada de trem e nem catinga de bode (não sei de onde tiraram esse ditado), mas faz sentido.
O povo resiste (inclusive) às várias tentativas de envenenamentos seja na alimentação ou na água e até mesmo no ar que respira, o povo é imortal.
Acidentes de trânsito, barcas, trens e aviões o povo tira de letra.
Assim como nem só de pão vive o povo, também nem só com armas luta ele, aliás, a principal arma do povo é a sua infinita sabedoria na arte da sobrevivência. O povo enfrenta sozinho com a cara e a coragem o Estado muito bem armado com o seu exército (O exército é o partido que o povo paga e arma contra si mesmo) assim como a polícia, a milícia e o tráfico de drogas que é mais uma extensão do Estado que tem o povo como o seu inimigo (útil) número 1. E mesmo assim o povo não tomba, o povo resiste, o povo não quebra (enverga), mas não quebra.
O povo vive constantemente em perigo porque é perigoso estar certo quando o governo está errado.
O povo enverga, mas não quebra. Não acredito que haja no universo alguma coisa mais resistente que o povo.