INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS
O Campinarte é independente. Não recebe subvenção de nenhuma prefeitura, governo de estado e muito menos do governo federal. Não somos uma organização não governamental, fundação, associação ou centro cultural e também não somos financiados por nenhum partido político ou denominação religiosa. Não somos financiados pelo tráfico de drogas ou milicianos. Campinarte Dicas e Fatos, informação e análise das realidades e aspirações comunitárias. Fundado em 27 de setembro de 1996 por Huayrãn Ribeiro.

Pesquisar este blog

VOCÊ É O VISITANTE

Translate

Edição de Junlo / 2018

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Leia Também

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Lixões clandestinos controlados por traficantes são fechados na Baixada Fluminense

Da Agência Brasil 
Rio de Janeiro – Dois lixões clandestinos controlados por traficantes foram fechados hoje (8), próximo ao antigo aterro sanitário de Jardim Gramacho, em Duque de Caixas, na Baixada Fluminense.
A operação da Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientas (Cicca), da Secretaria de Estado do Ambiente, com apoio do 15° Batalhão da Polícia Militar (PM), flagrou a fuga de traficantes pela mata próxima ao lixão.
Segundo a secretaria, os criminosos cobravam um valor inferior aos aterros sanitários pela tonelada de lixo, resíduos da área de saúde e construção civil, além de lixo domésticos despejados por condomínios da região.
Para impedir o surgimento de novos lixões clandestinos no bairro de Jardim Gramacho, o prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso, e o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, que acompanharam a operação, anunciaram que vão instalar câmeras de monitoramento e guaritas policiais para fiscalizar o terreno.
“Estamos em fase de detalhamento do projeto Bairro Sustentável Jardim Gramacho e, em breve, anunciaremos o segundo polo de reciclagem para resíduos da construção civil, que empregará mais 90 catadores. Além das câmeras para monitorar a entrada dos caminhões, vamos refazer parte dos 8 quilômetros de cerca instalados para impedir que continue o aterramento de manguezais do entorno da Baía de Guanabara”, disse Minc.