INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

Edição de Dezembro - 2017

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Aumenta o número de crianças fora da escola no Estado do Rio

Jovem de 18 anos está há uma década fora da escola
A caixinha de chocolate nas mãos é ferramenta antiga de trabalho. Aos 18 anos, o menino, que pediu para não ser identificado, tem um década de experiência como ambulante. Aos 8 anos, foi trabalhar para ajudar a família. Aos 14, quando a mãe morreu, largou de vez a escola em Caxias, onde morava, para sobreviver nas ruas da Zona Sul do Rio. Destino trágico, mas não raro. Dados da ONG Todos Pela Educação apontam que o número de jovens e crianças (de 4 a 17 anos) fora das salas de aula no Estado do Rio aumentou de 157 mil, em 2013, para 176 mil no ano seguinte.
O estado perdeu alunos no ensino fundamental e no ensino médio. A superintendente do Todos Pela Educação, Alejandra Meraz Velasco, explica que os desafios dessas etapas escolares vão além dos bancos escolares.
— Para atrair o aluno do ensino fundamental que está fora da escola, é preciso articular uma política pública que não se limite só a educação. Tem que envolver pastas como a Saúde, a Assistência Social, o Trabalho, o Transporte — enumera Alejandra.
Já o ensino médio tem, segundo a especialista, os mesmos problemas da etapa anterior, com um agravante:
— A gente tem que reformular o currículo para esses estudantes. O jovem até ingressa na rede, mas já no primeiro ano abandona a escola. O currículo tem que informar ao jovem o impacto que tem ele ao abandonar o ensino médio — explicou.
Enquanto isso, debaixo de uma marquise de Laranjeiras, irmão e irmã dormem até que a Guarda Municipal recolhe a menina, menor de idade, para um abrigo. A escola, para eles, ficou num passado distante.
‘Tentei voltar, mas não dá. Preciso trabalhar’
— Não moro na rua. Só durmo aqui às vezes. Tenho a minha casa lá em Barro Vermelho, Duque de Caxias. Eu e minha irmã vendemos doce na Zona Sul. Paçoca e bananinha. Mas aí a gente acaba dormindo por aqui para economizar na passagem. Uns cinco dias na semana. Agora vou ter que ir pegar ela no Conselho Tutelar. A gente tem que trabalhar mais tarde. Estudei só até a 3ª série, depois me envolvi com gente errada, fui preso seis meses e agora estou na rua. Tentei voltar, mas não dá. Preciso trabalhar. Minha irmã saiu da escola também. Não quer estudar. Minha mãe vive na rua, no Humaitá. Vai pouco lá em casa. Meu pai sumiu quando eu era criança. Se meteu com cachaça — conta.