INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Duque de Caxias e sua história sobre trilhos


Com o início da construção e atividade da linha férrea que ligaria o Rio de Janeiro a Petrópolis e Três Rios em 1884, a baixada fluminense e especialmente a região que deu origem ao município de Duque de Caxias ganhou novo impulso.
O comércio se desenvolveu e ao longo da via, foram surgindo comunidades que tiveram, cada uma a seu tempo, importância no processo de povoamento e desenvolvimento de toda a região.
O que antes chegava de barco e era transportado em lombo de burro, agora chegava ao seu destino via locomotivas. Locais desertos passaram a receber vilas, comércio e desenvolvimento e com isso, a baixada fluminense foi sendo povoada.
Até hoje, o transporte ferroviário ocupa espaço de destaque no desenvolvimento de Duque de Caxias. Segundo registros históricos o trecho de ferrovia que corta Duque de Caxias, foi administrado pela E.F. Príncipe do Grão Pará, pela E.F. Norte, pela R.J. Northern Railway e E.F. Leopoldina em 1890.
Hoje, a concessão de exploração é administrada pela SuperVia. São ao todo sete estações em um passeio pela história de Duque de Caxias e suas peculiaridades.
Partindo do centro da cidade pela estação de Duque de Caxias,  totalmente reformada e modernizada no início dos anos 2000,  o visitante chega na estação de Gramacho, antiga estação de Sarapuí, inaugurada em 1888 e que a partir da década de 1970 passou a ser o ponto final da tração elétrica dos trêns metropolitanos.
Por muitos anos, os trens seguiram dali puxados por tração diesel até Vila Inhomerim e Guapimirim, por outra linha, permanecendo assim até meados de 2000 quando a eletrificação foi extendida até Saracuruna.
O Bairro de Gramacho, foi originado nas terras da Fazenda Gramacho, que na época pertencia ao oitavo distrito de Nova Iguaçú.
A terceira estação,  de Campos Elíseos, antiga estação "Atura", leva o viajante rumo ao desenvolvimento, à REDUC - Refinaria Duque de Caxias, da Petrobrás ajuda a formar o contraste entre o passado e o futuro.
Mais adiante chega-se na estação de Jardim Primavera, quarta estação e aquela que marca a chegada ao centro administrativo da cidade. É no bairro de Jardim Primavera que está estabelecida a sede da Prefeitura Municipal.
A próxima parada é em Saracuruna, anteriormente chamada de estação de Rosário tem sua história datada do final dos anos 1880. O bairro, construído inicialmente no entorno do rio Saracuruna, teve sua importância histórica na colonização da Baixada,  pois o rio era uma das ligações do interior com a Baía da Guanabara.
As duas estações seguintes , Morabi Imbariê são uma atração a parte, pequenas e aconchegantes, lembram as antigas paradas de trem das cidades do interior. A primeira, cujos registros datam da década de 1930, era conhecida como estação de Anhangá e a segunda, marca a fronteira entre Duque de Caxias e o município de Magé.