INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sábado, 17 de setembro de 2016

Marcos Valério / À Luz do Espiritismo - Sejamos prudentes ao “jogar” tudo no DESTINO E NA FATALIDADE

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, o espiritismo é a minha verdade, algo que escolhi como filosofia, a razão e a emoção caminhando lado a lado e tendo a ciência e a religião como fundamentos em seu tríplice aspecto: ciência, filosofia e religião.
Eu sou Marcos Valério, 52 anos, casado, nascido em Pernambuco, ensino médio (incompleto) e profissional da construção civil (pedreiro).
ESTAREMOS JUNTOS A PARTIR DE AGORA AQUI NA COLUNA “À LUZ DO ESPIRITISMO”.
Eu como trabalhador da Doutrina dos Espíritos quero através desta coluna levar até vocês uma análise dos fatos do nosso dia a dia, mas sempre à luz da Doutrina dos Espíritos.

Olá amigos leitores, com certeza a grande maioria senão todos acompanharam o fato decorrido estes dias do ator global Domingos que se afogou no rio São Francisco, muitas foram as especulações a cerca do acontecido, porém uma palavra foi bastante enfatizada, FATALIDADE, no significado pleno significa: QUALIDADE DE FATAL, DESTINO QUE NÃO SE PODE EVITAR.
Ok, muito bem, será mesmo que tudo que acontece em nossa vida está Irremediavelmente escrito e portando devemos por tudo na conta do destino?
Com certeza este é um assunto bastante rico em idéias e pensamentos e cada um se posiciona de acordo com suas concepções, seria necessário uma “palestra” mais aprofundada e ir lá buscar em diversas áreas como física quântica, por exemplo, só para descrever como esta simples palavra FATALIDADE pode gerar, mas vou aqui tratar deste assunto pela visão espírita, pois é ao que me dedico nesta coluna.

Allan Kardec dedicou nada mais nada menos que 17 perguntas relativa ao que pode ser fatalidade em nossa vida no livro dos espíritos e sempre com a cautela peculiar que ele possuía quando se tratava de assunto em que se precisava ser mais preciso em seus questionamentos, e para os que lêem o livro e o estuda, fica a observância quanto ao fato de que tudo é muito relativo em relação a fatalidade, nos acontecimentos gerais podemos considerar três possibilidades: Tudo esta determinado (determinismo), nenhum esta determinado (aleatório), apenas alguns estariam determinado, ok, mais um ponto que dá “pano pra manga” para se pensar e criar idéias, agora este terceiro conceito é o que é mais aceito pela ciência contemporânea e pelo espiritismo pelo simples fato de que como somos possuidores de livre-arbítrio, contribuímos ou não para a nossa fatalidade, e só para ressaltar a fatalidade plena só existe no ESPÍRITO pelo ato de suas escolhas no plano espiritual, quanto as relações morais e físicas, somos-nos os artífices do nosso destino.
Portanto sejamos prudentes ao “jogar” tudo no DESTINO E NA FATALIDADE, o que acontece em nossa vida, pois muitas das vezes, procuramos por nos mesmo que estas coisas nos aconteçam.

Muita paz e luz a todos.
Marcos Valério.