INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Morte de bebê de 5 meses em creche revolta família em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Notícias - R7 Rio de Janeiro

A Polícia Civil investiga a morte de uma menina de 5 meses em uma creche de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Lívia passou mal na tarde de segunda-feira (12) enquanto estava na unidade e foi levada para o Hospital Municipal Moacyr do Carmo já sem vida.
Durante sete anos, Maria Helena, mãe da criança, se tratou de um endometriose para tentar engravidar. O sonho de ser mãe chegou aos 40 anos depois de 14 anos de casada. Lívia nasceu saudável e nunca teve problemas de saúde. Aos quatro meses, a mãe precisou voltar a trabalhar. O pediatra atestou que a bebê estava com a saúde em ótimas condições e apta para ficar em uma creche.
Há cerca de um mês, Lívia ficava em uma unidade escolar no bairro Santa Luzia, em Duque de Caxias. Na segunda-feira (12), a mãe trouxe Lívia para a creche às 13h30. Por volta das 18h, a dona da creche foi até o trabalho de Maria Helena e a levou para o hospital para onde a menina havia sido levada pelos bombeiros.
De acordo com o médico do hospital, Livia já chegou à unidade morta. Os pais da criança não entendem o que poderia ter causado sua morte. Segundo eles, não havia ninguém da creche para falar com a família. A tia de Lívia chegou a ir na escola para buscar a mochila da criança, mas os funcionários disseram que o material não estava na unidade.
Policiais militares levaram uma representante da creche para registrar o caso na delegacia de Caxias (59ª DP). Os pais de Lívia não tiveram acesso ao depoimento, mas constataram que o nome da escola registrado no boletim de ocorrência estava incorreto. Eles também perceberam que o nome da unidade havia sido trocado em sua página na internet.
Abalado, Raphael Lopes, pai da menina, quer saber quais os procedimentos realizados pela instituição e pelo Corpo de Bombeiros para salvar sua filha.
— Que horas verificaram que ela não estava bem? Quais os bombeiros que resgataram ela? Porque eu quero saber quais os procedimentos que fizeram com a minha filha.
Em nota, a direção da creche disse que tentou todas as formas de contato com os pais da criança e que os esclarecimentos serão dados pelo advogado da instituição à polícia.