INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS
O Campinarte é independente. Não recebe subvenção de nenhuma prefeitura, governo de estado e muito menos do governo federal. Não somos uma organização não governamental, fundação, associação ou centro cultural e também não somos financiados por nenhum partido político ou denominação religiosa. Não somos financiados pelo tráfico de drogas ou milicianos. Campinarte Dicas e Fatos, informação e análise das realidades e aspirações comunitárias. Fundado em 27 de setembro de 1996 por Huayrãn Ribeiro.

Pesquisar este blog

VOCÊ É O VISITANTE

Translate

Edição de Junlo / 2018

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Leia Também

sábado, 12 de janeiro de 2013

Fotos e Legendas / Escadaria do Selarón

Tânia Rêgo/ABr / Rio de Janeiro - Mosaico do artista plástico chileno Jorge Selarón, que transformou num intenso ponto de visitação turística os 215 degraus da Escadaria do Convento de Santa Teresa, que liga o bairro à Lapa. Selarón, de 65 anos, foi encontrado morto ontem (10) nas escadarias em frente ao seu atelier, com parte do corpo queimado e um a lata de solvente ao lado. O artista costumava vender seus quadros no próprio local, o qual chamava de Escadaria do Selarón.





Rio de Janeiro - Mosaico do artista plástico chileno Jorge Selarón, que transformou num intenso ponto de visitação turística os 215 degraus da Escadaria do Convento de Santa Teresa, que liga o bairro à Lapa. Selarón, de 65 anos, foi encontrado morto ontem (10) nas escadarias em frente ao seu atelier, com parte do corpo queimado e um a lata de solvente ao lado. O artista costumava vender seus quadros no próprio local, o qual chamava de Escadaria do Selarón.







Rio de Janeiro - Mosaico do artista plástico chileno Jorge Selarón, que transformou num intenso ponto de visitação turística os 215 degraus da Escadaria do Convento de Santa Teresa, que liga o bairro à Lapa. Selarón, de 65 anos, foi encontrado morto ontem (10) nas escadarias em frente ao seu atelier, com parte do corpo queimado e um a lata de solvente ao lado. O artista costumava vender seus quadros no próprio local, o qual chamava de Escadaria do Selarón.