INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

domingo, 15 de novembro de 2015

Após 30 anos de suspeitas, cientistas confirmam novo tipo de doença cardíaca

Há mais de 30 anos que especialistas suspeitavam da existência de uma nova doença cardíaca: uma alteração quase imperceptível na actividade elétrica do coração capaz de levar à morte. Agora, uma equipa da Sociedade Espanhola de Cardiologia (SEC) concluiu que, na verdade, trata-se de um transtorno que afecta pessoas mais velhas, a síndrome de Bayés, que pode ser detectada por um simples cardiograma.

O médico Manuel Martínez-Selléz, da SEC, via com preocupação como pessoas portadoras dessa síndrome sofriam AVC com mais frequência e tinham riscos maiores de demência e morte.
Martínez-Selléz fez um estudo com 80 centenários e 269 septuagenários e demonstrou que se trata de uma situação de pré-arritmia.
«Agora sabemos que as pessoas que sofrem este bloqueio interauricular têm um batimento adiantado das aurículas. E sabemos que pode levar à arritmia», disse Martínez-Selléz à BBC.
O bloqueio interauricular é um transtorno entre as aurículas do coração, duas cavidades na parte superior do órgão.
«Trata-se de uma doença porque é uma alteração do circuito eléctrico do coração, neste caso, do circuito eléctrico das aurículas, que se associa a um risco demonstrado tanto de acidente cerebrovascular como de demência».
As pessoas com esta alteração têm facilidade para formar um coágulo na aurícula esquerda do coração.
O facto de ser uma doença abre as portas para melhorar o diagnóstico de doenças cardíacas que surgem com a idade. A síndrome leva o nome do cardiologista Antonio Bayés de Luna.
A ONU estima que haverá cerca de 400 milhões de pessoas acima de 80 anos no ano de 2050, o que será um desafio para a área da saúde.
Para a equipa de pesquisadores, o principal aspecto positivo do estudo é melhorar o diagnóstico de idosos com este sintoma.
«Estamos convencidos que os portadores desta alteração beneficiarão de um tratamento antiarrítmico e anticoagulante que ajudará a prevenir AVC e a demência», disse Martínez-Selléz.'