O Campinarte é independente. Não recebe subvenção de nenhuma prefeitura, governo de estado e muito menos do governo federal. Não somos uma organização não governamental, fundação, associação ou centro cultural e também não somos financiados por nenhum partido político ou denominação religiosa. Não somos financiados pelo tráfico de drogas ou milicianos. Campinarte Dicas e Fatos, informação e análise das realidades e aspirações comunitárias. Fundado em 27 de setembro de 1996 por Huayrãn Ribeiro.

Pesquisar este blog

VOCÊ É O VISITANTE

Translate

Edição de Out. / 2018

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Leia Também

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Duque de Caxias / Nossa Cidade

A UCP, grupo formado por políticos, jornalistas e médicos, lutou pela emancipação da Cidade
Emancipação de Duque de Caxias
A história de Duque de Caxias está diretamente ligada ao crescimento da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. O vai e vem de pessoas pelas terras determinaram várias mudanças no perfil da região. Brás Cubas foi um dos primeiros nomes que receberam terras nessa região. Na segunda metade do século XV, começou, de fato, o povoamento dos Vales de Iguaçu, Meriti, Sarapuí, Saracuruna e Capivari.
Com o aumento da população, as lavouras de cana-de-açúcar, milho, feijão e mandioca ofereceram riquezas aos proprietários de latifúndio. Em 1833, o povoado de Iguaçú elevou-se à Vila e foram anexadas a ela as terras do atual município de Duque de Caxias.
No século XIX, foi instalado um trecho da ferrovia que ligava a cidade do Rio de Janeiro à Estação de Meriti. Com a abolição dos escravos em 1888, aconteceram vários transformações na vida econômica e social da Baixada Fluminense. As obras de saneamento foram abandonadas, houve um atraso nas condições propícias à saúde e várias enfermidades surgiram. Entre elas, a malária e a doença de Chagas.
O processo de emancipação da cidade esteve relacionado à formação de um grupo que organizou a União Popular Caxiense (UPC): jornalistas, médicos e políticos locais. Em 1940, foi criada a comissão pró-emancipação: Sylvio Goulart, Rufino Gomes, Amadeu Lanzeloti, Joaquim Linhares, José Basílio, Carlos Fraga e Antonio Moreira. A reação do governo foi imediata e os manifestantes foram presos.
O grande crescimento pelo qual passava Meriti levou o deputado federal Dr. Manoel Reis a propor a criação do distrito de Caxias. Em 14 de março de 1931, através do ato do interventor Plínio Casado, foi criado, pelo Decreto Estadual Nº 2.559, o distrito de Caxias, com sede na antiga Estação de Meriti, pertencente ao então município de Nova Iguaçu. Em 31 de dezembro de 1943, através do Decreto-Lei 1.055, elevou-se à categoria de município recebendo o nome de Duque de Caxias. Já a Comarca de Duque de Caxias foi criada pelo Decreto-Lei nº 1.056, no mesmo dia, mês e ano.
O município de Duque de Caxias limita-se ao Norte com Petrópolis e Miguel Pereira; ao Leste com a Bahia da Guanabara e Magé; ao Sul com a cidade do Rio de Janeiro e ao Oeste com São João de Meriti, Belford Roxo e Nova Iguaçu. Caxias possui clima quente, porém, os 3º e 4º distritos (Imbariê e Xerém) têm temperatura amena em virtude da área verde e da proximidade da Serra dos Órgãos.
O Rio Meriti separa o município de Duque de Caxias da cidade do Rio de Janeiro e o Rio Iguaçu delimita Duque de Caxias de Nova Iguaçu. Já o Rio Sarapuí faz a divisão entre o 1º e o 2º distrito e o Rio Saracuruna separa o 2º do 3º distrito.
Com a emancipação, o município recebeu grande incentivo em sua economia. Várias pessoas, oriundas principalmente do Nordeste do Brasil, chegavam ao Rio de Janeiro em busca de trabalho e elegiam Duque de Caxias como residência.

A origem do nome
Apesar de não participar de nenhum movimento pró-emancipação emancipação, foi graças à iniciativa de José Luiz Machado, mais conhecido como “Machadinho”, que Meriti passou a se chamar Caxias. Morador da localidade desde o início do século XX, “Machadinho” e um grupo de amigos foram à estação de trem, próximo à Plínio Casado, para retirar a placa que tinha o nome de Meriti e trocá-la por Caxias, uma homenagem a Luiz Alves de Lima e Silva, que nasceu na região.
O acontecimento histórico foi registrado pelo jornal “Tópico” (Duque de Caxias, 25/08/1958) em comemorações pelo 15º aniversário de emancipação político-administrativa de Duque de Caxias. O jornalista Waldair José de Souza, na época, assinou a seguinte matéria: “Nasce uma cidade – memórias do homem que lhe mudou a denominação”.
Meriti vinha ganhando melhorias feitas por Nilo Peçanha como: bica d’água, saneamento, calçamento, postos de correio e telégrafos. Aos poucos, o nome “Meriti do Pavor”, como a estação ferroviária era mais conhecida, não era mais compatível com a antiga Meriti de abandono e malária. Acompanhando os ventos da mudança, no dia 6 de outubro de 1930, “Machadinho”, tendo ajuda de Jaime Fischer, Oswaldo Gamboa, Américo Soares e Francisco Azevedo afixou a placa como o nome de Caxias. Quatro meses depois, em 1931, foi criado o distrito de Caxias, 8º de Nova Iguaçu, que perdurou até 1943.
(Fonte / CMDC)