INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Carnaval em Nova Campinas estaria atendendo aos interesses de quem?

O Coelhinho do Campinarte ficou bastante impressionado ao saber que em Nova Campinas a associação de moradores não tem nenhuma participação nas diversas manifestações “programadas” para este Carnaval / 2015 no conjunto.
A única colaboração real da entidade para o Carnaval deste ano foi a volta dos ensaios do Bloco Esperança de Nova Campinas realizados no salão de festas da entidade, evidentemente, com a permissão de seu presidente.
Tivemos no dia 14 de fevereiro, na Rua H, a saída de um grupo de Clovis com direito a queima de fogos e a participação de um grande público que lotava (literalmente) as calçadas para apreciar toda a movimentação da rapaziada.
Segundo levantamento do Coelhinho do Campinarte, nesse evento também não foi notada a presença da entidade máxima da comunidade, aliás, o Coelhinho esperava que pelo menos a polícia local comparecesse justamente por causa do grande movimento de pessoas, felizmente o Coelhinho não teve notícias de nenhum incidente.
Outra manifestação em curso no conjunto sem a presença, sem o aval, sem o apoio, sem a colaboração, enfim, sem a participação da associação local, é a que está sendo promovida na principal praça do conjunto. Um número razoável de barracas, palanque, som e toda infraestrutura necessária para um grande evento. Essa iniciativa partiu de terceiros, independente da associação de moradores do bairro apoiada por parte do comércio local.
Algumas perguntas que estão martelando a cabeça do Coelhinho: Essa última iniciativa, em particular, estaria atendendo aos interesses do Carnaval, mas que tipo Carnaval?
Estaria atendendo aos interesses da comunidade, mas que tipo de comunidade?
Estaria atendendo aos interesses do comércio, mas que tipo de comércio?
E por que a ausência da entidade máxima local?