INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS
O Campinarte é independente. Não recebe subvenção de nenhuma prefeitura, governo de estado e muito menos do governo federal. Não somos uma organização não governamental, fundação, associação ou centro cultural e também não somos financiados por nenhum partido político ou denominação religiosa. Não somos financiados pelo tráfico de drogas ou milicianos. Campinarte Dicas e Fatos, informação e análise das realidades e aspirações comunitárias. Fundado em 27 de setembro de 1996 por Huayrãn Ribeiro.

Pesquisar este blog

VOCÊ É O VISITANTE

Translate

Edição de Junlo / 2018

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Leia Também

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Energético pode causar arritmia e levar à morte, afirmam pesquisadores

Nos adultos, a bebida tende a aumentar o risco de hipertensão e de diabetes.
O aumento do consumo de energéticos pode representar perigo para a saúde pública. De acordo com o presidente do Grupo de Estudos de Cardiologia do Esporte da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), Daniel Jogaib Daher, o perigo existe por causa da presença de cafeína, taurina, ginseng e guaraná, entre outros ingredientes na bebida, o que podem desencadear arritmia e, em casos extremos, levar à morte.
Segundo o especialista, o maior problema é o consumo da bebida energética nas baladas, como se fosse um refrigerante.
- Como são, na verdade, estimulantes neuropsíquicos, os energéticos podem ser muito deletérios (nocivos à saúde) para o corpo.
De acordo com um estudo publicado na revista Frontiers in public Health, logo após a ingestão o problema é a cafeína, mas em médio e longo prazo os efeitos podem ser cumulativos.
Os pesquisadores identificaram como efeitos possíveis do consumo de energéticos por crianças as arritmias, hipertensão, estimulação do sistema nervoso central, vômitos, acidose metabólica, convulsão, parada cardíaca e mesmo morte. Nos adultos, a bebida tende a aumentar o risco de hipertensão e de diabetes, já que a cafeína reduz a sensibilidade à insulina e aumenta o risco de aborto espontâneo.
Fonte: ABEAD (Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)