INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sábado, 14 de novembro de 2015

Álcool, cigarro e depressão causam dores de coluna

O Dia
Novos estudos mostram que são vários os fatores que provocam o problema.
Rio - Alcoolismo, tabagismo, obesidade e depressão também causam dor na costas, revelou estudo da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. O problema é causado por diversos fatores de risco combinados, não só os já conhecidos, como sedentarismo ou má postura.
Foram analisadas mais de um milhão de pessoas e verificou­-se que as chances de sentir dores na parte inferior da coluna aumentam em 6 vezes nos casos de obesidade; 5,5 vezes para portadores de depressão; 4,5 vezes para fumantes; e 3,3 vezes em alcoólatras.
“Estamos conhecendo mais sobre os fatores de risco”, explica João Amadera, fisiatra do Spine Center. Segundo ele, o problema é multifatorial, ou seja não tem uma causa específica. Amadera afirma ainda que estudos apontam que 90% da população mundial tem, já teve ou terá dor na costas.
Uma das principais descobertas é a influência do alcoolismo no problema, que reforça outro fator de risco, a distração. “Quem bebe acaba colocando o corpo em situações que não colocaria”, alerta o fisiatra. Já o tabagismo afeta a circulação sanguínea da coluna vertebral. “As pessoas que fumam tem os microvasos sanguíneos interrompidos”, afirma. 
A obesidade, por sua vez, causa danos à coluna principalmente de mulheres. “Por causa dos hormônios, a musculatura da mulher não acompanha o ganho de peso”, explica Amadera. Assim, as obesas têm duas vezes mais chances de ter dor nas costas do que homens na mesma situação. Por fim, a depressão está ligada a alteração no sistema nervoso, que controla a sensação da dor. 
Amadera acrescenta que esta dor é a principal causa de afastamento do trabalho, de aposentadoria precoce e de pessoas que vão ao escritório, mas não produzem. 
O fisiatra ressalta, no entanto, que boa parte dos fatores de risco – como ficar muito tempo na mesma posição – é comum à maior parte da população. “São muito abrangentes”, explica. Por isso, a prevenção não deve focar em um ou outro aspecto, e sim numa vida saudável como um todo. 
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)