INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Motoristas devem passar por testes toxicológicos

Ministério do Trabalho vai tornar obrigatório o exame a partir de março para contratação e demissão objetivo é identificar se o profissional consumiu algum tipo de droga ilícita / Por: Diário de S. Paulo 
A partir de março do ano que vem, motoristas que trabalham com transporte rodoviário de cargas e passageiros deverão fazer exame toxicológico no momento da contratação e do desligamento das empresas. 
A medida está prevista em portaria do Ministério do Trabalho e Previdência Social.
O objetivo é identificar se o profissional consumiu algum tipo de droga ilícita (maconha, cocaína, crack, anfetaminas e metanfetaminas) até 90 dias antes da coleta do exame. 
Pelos testes também será possível identificar o uso de remédios à base de morfina e codeína, além de medicamentos contra obesidade produzidos a partir de anfetaminas. 
Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Trânsito, essas substâncias agem no sistema nervoso central do motorista, alterando a concentração, coordenação motora e a percepção, colocando em risco a própria vida, a dos passageiros e de outros motoristas. 
Já na primeira aplicação do teste, ficou comprovado que 34% dos caminhoneiros usam drogas. Cocaína foi a mais presente, em 73% dos casos. A anfetamina, conhecida como rebite, apareceu em 18%. O exame da queratina é feito com um fio de cabelo do motorista.
A regulamentação do teste obriga os laboratórios a entregar ao caminhoneiro um laudo detalhado em que conste a relação de substâncias testadas e seus respectivos resultados. A portaria ainda assegura o direito à contraprova. O resultado do exame é sigiloso. 
Segundo Ministério Público do Trabalho, os testes de queratina constataram que mais de 80% dos caminhoneiros usuários de cocaína possuem perfil de dependentes químicos. 
A Unicam (União Nacional dos Caminhoneiros) foi procurada para comentar os resultados, mas até o momento da publicação, não houve resposta.
Fonte:UNIAD - Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas