INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS
O Campinarte é independente. Não recebe subvenção de nenhuma prefeitura, governo de estado e muito menos do governo federal. Não somos uma organização não governamental, fundação, associação ou centro cultural e também não somos financiados por nenhum partido político ou denominação religiosa. Não somos financiados pelo tráfico de drogas ou milicianos. Campinarte Dicas e Fatos, informação e análise das realidades e aspirações comunitárias. Fundado em 27 de setembro de 1996 por Huayrãn Ribeiro.

Pesquisar este blog

VOCÊ É O VISITANTE

Translate

Edição de Junlo / 2018

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Leia Também

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O mal em nossas comunidades e a vaidade das falsas “lideranças”!

Um dos maiores entraves para o avanço e evolução em nossas comunidades é sem sombra de dúvida a vaidade.
Existem outros fatores, mas a vaidade é a rainha do atraso em nossos bairros.

Só porque o sujeito edita um jornal (de bairro) acha que está salvando a humanidade. 
Por melhor que seja o seu trabalho, por mais sério e honesto que seja o tal editor, a partir do momento, que por pura vaidade, ele passa acreditar que está salvando a humanidade, exigindo reconhecimento dos demais segmentos, cobrando privilégios e se achando a única inteligência, acreditem, isso é pra lá de triste.
Agora imagine essa mesma situação em todos os setores comunitários! 
Cada um agindo com esse mesmo pensamento, cada qual se isolando cada vez mais uns dos outros numa guerra sem fim de vaidades e mais vaidades, imaginou?
Pois é exatamente isso que está acontecendo agora.
Cada responsável por cada setor dentro de nossas comunidades pelo simples fato de achar que está salvando o planeta se acha também no direito de se lançar candidato a vereador, deputado, etc., e cobra de suas comunidades que o apoiem porque na cabeça desses (e só na cabeça desses) são merecedores de um voto de confiança para ingressar na política.
Quando pedem voto deixam bem claro que aquele eleitor, por causa dos serviços prestados, tem para com ele (o falso líder comunitário) uma dívida, e o voto é no mínimo um ato de gratidão. Na verdade uma obrigação!