INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Fumo e gestação

Jornal do Brasil



Muito se fala sobre as consequências do fumo para a saúde da mulher e principalmente durante a gestação. A mulher que fuma durante a gravidez pode prejudicar o feto de diversas maneiras. O potencial mutagênico, isto é, a possibilidade de causar uma alteração genética no feto também foi correlacionada com o fumo. Substâncias provenientes da fumaça inalada se ligariam a frações de DNA, causando lesões pré-mutacionais. Os danos no DNA aumentam a incidência de abortamentos, defeitos físicos e alguns autores sugerem até mesmo aumento dos casos de Trissomia do cromossomo 21 (Síndrome de Down).

Outro dado estatístico é o aumento da incidência de gravidez tubária, que pode ser 3,5 vezes maior em fumantes do que não fumantes. Um trabalho em Hamster demonstrou uma alteração na função e mobilidade da trompa, o que levaria a uma dificuldade da captura do óvulo pela trompa (infertilidade) ou do trânsito do embrião até o útero (gravidez tubária).
Acredita-se que 30% das mulheres e 35% dos homens em idade produtiva sejam fumantes. A relação entre fumo e infertilidade ainda não está plenamente consciente na população e ainda é motivo de dúvida perante a classe médica. Isto porque, apesar de diversos trabalhos acumularem dados mostrando o efeito adverso do fumo, muitos são considerados pouco conclusivos devido à diversidade das populações e métodos estudados. Mas se a relação entre fumo e fertilidade for aceita, podemos considerar que 13% da infertilidade feminina podem ser causadas pelo cigarro.
Um estudo da Associação de Planejamento Familiar de Oxford, na Inglaterra, observa um retorno à fertilidade em ex-fumantes. A reversibilidade da natureza do problema indica a correlação entre dose/tempo e a fertilidade e prevê uma ferramenta importante para motivação em campanhas antitabagismo.
Já nos tratamentos de fertilização in vitro, as fumantes precisam de duas vezes mais tentativas para conseguir engravidar. Comprovou-se a presença no líquido folicular aspirado no momento da retirada do óvulo de cádmio e cotinina. O mesmo foi encontrado em pacientes fumantes passivas. Diversos estudos avaliaram os efeitos do fumo e de fumantes passivos sobre a quantidade e qualidade espermática. Uma queda de 22% na concentração foi observada no total, mas as alterações de mobilidade e morfologia apesar de reduzida se encontravam dentro dos limites normais.
Hoje estudos feitos entre a relação tabaco e reprodução concluíram que: mais de 20 estudos publicados na literatura médica detalharam os efeitos adversos do fumo para a fertilidade; o tabaco contém diversas substâncias, muitas das quais tóxicas. Um estudo feito em ratos mostrou que a nicotina teve efeitos destrutivos na maturação do ovo, nas taxas da ovulação e nas taxas de fertilização; o estudo mostrou também anormalidades cromossômicas nos óvulos expostos à nicotina; a reserva ovariana e a quantidade e a qualidade do óvulo são reduzidas nas mulheres que fumam; os fumantes têm números mais baixos dos folículos quando estimulados para fertilização in vitro; os fumantes têm taxas mais baixas na fertilização dos óvulos in vitro e mais chances de abortamento espontâneo; um estudo mostrou que a possibilidade para uma gravidez de FIV em 2.7 vezes mais alta para as mulheres que nunca fumaram em comparação às mulheres que fumam (ou parado recentemente).
O mesmo estudo mostrou que se a mulher fumasse pelo menos há cinco anos, o risco foi aumentado a 4.8; há também alguma evidência que o homem sendo fumante existe a diminuição na chance com IVF. Não se sabe se este efeito estaria causado diretamente pelo esperma ou se representa um efeito negativo na qualidade do ovo e do embrião com a exposição passiva.
Caso a mulher tenha problema para engravidar ou particularmente se está planejando uma fertilização in vitro, tem que parar o mais rápido possível, porque as taxas do sucesso de IVF são mais elevadas nas mulheres que não são fumantes do que nas mulheres que fumaram durante o estímulo ovariano.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)