INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Como voluntários salvaram mais de 300 animais da lama da Samarco em Mariana

Não são apenas as vítimas humanas que estão sofrendo com o rompimento de barragens da Samarco em Mariana, Minas Gerais. Os animais também estão assustados. Muitos morreram, muitos se feriram e alguns chegaram a ser "petrificados" pela lama ressecada de rejeitos de minério.
Um grupo de ONGs e voluntários dos direitos dos animais, no entanto, está atuando para tentar resgatar a maior quantidade de bichos possível. Eles se uniram ao Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (FNPDA) para tentar arrecadar recursos e organizar melhor esse atendimento, crucial para a saúde dos animais e também para as famílias atingidas, que muitas vezes dependem de uma vaquinha e algumas galinhas para seu sustento. ÉPOCA conversou com Vania Nunes, diretora técnica do FNPDA, sobre esses esforços. Segundo ela, 300 animais já foram resgatados.
Interessados em doar podem entrar no site do FNPDA.
ÉPOCA - Como funciona a operação de resgate dos animais em Mariana?
Vania Nunes -
 Eu estou em contato com a doutora Ana Liz Bastos, da ONG Associação Ouropretana de Proteção Animal, que é parte do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal. Ela foi para lá na noite do acidente, e realmente a situação era bem crítica. Logo que eles chegaram, não puderam entrar, estava tudo molhado, sujo, tinha a Defesa Civil. Quando amanheceu, algumas pessoas já vinham com animais. Esses foram os primeiros a ser atendidos. Tinha cachorro, galinha, passarinho, gado. Os animais estavam muito assustados, muitos sujos, alguns feridos. Elas prestaram esses primeiros atendimentos. No começo, os animais foram para o centro de zoonose de Mariana, que era o local mais próximo que tinha onde deixar os animais que não tinham donos. Com o passar dos dias, com o aumento do número de animais, a própria Samarco alugou um galpão. Os que tinham dono, à medida que as pessoas foram realocadas em casas ou hotéis, os donos levaram. Mas para você ter uma ideia tinha cavalo, porco, galinha, não tinha como as pessoas levarem todos.

ÉPOCA - O foco do resgate é em animais domésticos, certo? 
ÉPOCA - Houve um atendimento inicial, de emergência? Qual era o estado dos animais?
Vania Nunes -
 Eles estavam muito assustados. Se foi uma cena dantesca para as pessoas, também foi para os animais. Eles são capazes de perceber que aconteceu uma coisa muito ruim. Quando a água desceu, estava muito fria. Então a primeira coisa foi hidratar os animais e tentar aquecê-los. Tirar a lama, que estava ressecando, ficando dura que nem uma pedra. Limpar, porque aquele minério pode ser absorvido e intoxicar o animal. Se eles estavam bem, em ordem, já recebiam vacina, vermífugo, coleiras. Mas não vai achando que os animais eram todos dóceis, calmos, é só pegar e ir embora. Às vezes tem trabalho para abordar o animal, porque ele esta com medo, assustado. Tem que ser uma ação multiprofissional. Sem isso, você não consegue fazer nada.
Vania Nunes - Animais domésticos não são só os de estimação. Porcos, galinhas, gado, são muito importantes para as famílias. Lá é uma região rural, que tinha grande quantidade de animais. Um dia salvaram um monte de galinhas, vieram com elas debaixo do braço. No domingo, foram resgatados cinco cavalos. Muitos animais, principalmente bois e cavalos, ficaram presos na lama. A lama foi endurecendo e eles ficaram solidificadados ali, vivos. Muitos animais precisaram ser eutaniziados ali, infelizmente. A situação é caótica. As pessoas falam "é gato, cachorro", mas não é só isso. É muito importante, pra quem tem uma galinha, tem um porco, e aquilo é uma fonte de subsitência para ela, ter certeza que aquilo é um recurso que ela ainda tem, porque elas perderam tudo. Isso pode ser uma forma de ajudar essa pessoa a pensar que ainda tem perspectiva de recuperar de alguma forma a vida que tinha.

ÉPOCA - Vocês estão recebendo doações ou ajuda de voluntários? 
ÉPOCA - Quantos animais foram resgatados?
Vania Nunes -
 Entre 200 e 300 animais. Toda hora está chegando animal novo. Pode ser que amanhã já tenha um número maior.
Vania Nunes - Muitas pessoas se mobilizaram nos fins de semana, o que é bom, mas isso é flutuante. Tem hora que tem muita gente, tem hora que tem poucas. Ajuda também é assim. Às vezes as pessoas doam ração para cachorro, mas também precisamos atender gatos, galinhas, cavalos, e esse alimento não existe ali. Precisamos de feno, sal grosso, sal mineral. Nós fizemos uma lista do que era necessário, e isso está sendo providenciado. Algumas coisas estão em falta, e todo dia tem novos resgates. Nós criamos uma conta para receber doações. Fizemos isso porque as pessoas ajudam com casinha, ração, o que é ótimo, mas precisamos de alguns equipamentos que não se compram em qualquer loja de produtos de animal. Por exemplo, lá é uma área endêmica de leishmaniose. Os cachorros precisam de uma coleira específica para evitar ser picado pelo inseto.