INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

Edição de Dezembro - 2017

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Italiano diz ter desenvolvido técnica para 'hipnotizar' tubarões

Um mergulhador italiano afirma ter descoberto uma técnica para "hipnotizar" tubarões.
Riccardo Sturla Avogadri tirou fotos e gravou vídeos onde aparece com as mãos na cabeça de um tubarão imóvel para provar a eficiência de sua técnica. E também exibe suas "habilidades" para turistas e curiosos.
Ele disse ao programa de rádio Outlook, da BBC, que sua técnica permite colocar os tubarões em "transe", de forma que possam ser examinados por pesquisadores e cientistas sem o estresse da captura.
Segundo o italiano, o primeiro passo para imobilizar um tubarão consiste em atraí-lo usando barulho, comida ou produtos químicos. Para o tubarão branco ele usa sangue de foca, por exemplo.
Avogadri diz que, em geral, a isca fica em uma caixa que permite ao peixe sentir o odor e até ver a comida – embora ele não possa mordê-la.

Técnica
De acordo com o italiano, quando o tubarão se aproxima em uma posição boa e com velocidade adequada, é possível colocá-lo em relaxamento.
Ele diz colocar as mãos em uma posição específica, que faz com que os animais pensem que seus dedos são peixes.
"Eu faço o tubarão tentar morder minhas mãos. Essa é a parte mais difícil e perigosa, porque se eu for muito rápido o tubarão vai embora e se eu for muito devagar ele me morde".
Avogadri conta que mergulha protegido por uma roupa especial feita de aço. Caso seja mordido, os dentes do tubarão não perfuram o traje.
Segundo ele, antes de morder, o animal abre a boca para deixar a água entrar e obter oxigênio por meio das guelras. O peixe em seguida fecha a boca e só depois dá a mordida.
"Eu consigo imobilizar o tubarão quando ele está com a boca fechada. Nesse momento, ele não está respirando e eu coloco a mão no nariz dele e começo a fazer uma espécie de massagem", diz.
De acordo com o italiano, a massagem estimula um órgão sensorial do tubarão chamado ampola de Lorenzini. "Eles gostam quando você faz movimentos circulares, começam a sentir uma sensação boa", conta.
"Eles tentam fugir durante uns cinco ou seis segundos, mas quando sentem essa sensação e percebem que não há perigo, muitas vezes param."
Depois de colocar o tubarão em "transe" com a massagem, Avogadri diz que começa a retirar parasitas da pele do peixe.
"O animal pode ir embora, mas percebe que fiz uma coisa boa para ele e por isso, volta – talvez pense que sou uma espécie de 'estação de limpeza'."

Movimentos
Segundo o mergulhador, os tubarões não podem permanecer muito tempo parados - eles precisam estar constantemente em movimento para respirar.
Para superar esse problema, Avogadri diz que movimenta o animal na direção da superfície.
Com isso, aproveita para exibir o peixe para turistas que mergulham usando equipamentos simples, como snorkels e máscaras.
O italiano admite que não é possível aplicar a técnica em todos os tubarões, mas garante que nunca teve um acidente grave.
"As vezes estou no meio de um grupo de 20 tubarões e tenho de perceber quais são mais confiantes. Quando acho um bom tubarão, tento atraí-lo".

G1