INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS

CAMPINARTE DICAS E FATOS / O NOSSO JORNAL FALADO

Notícias da CMDC

Duque de Caxias, na Baixada Fluminense - Google Notícias

Translate

A VOZ DO CAMPINARTE

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Projeto Escolha Inteligente (- Droga não. Abrace a vida!)


Meus agradecimentos ao Campinarte Dicas E Fatos, por nos ter indicado para a 3° Tarde literária Natidade. Sergio Ricardo de Souza e os demais organizadores, obrigada por todo suporte!Delícia de evento!
Publicado por Analice Silva em Domingo, 10 de abril de 2016

Trata-se de um projeto áudio e vídeo. Aplicado por meio palestras. 
É um projeto diferenciado dos demais por conta de sua metodologia e dinâmica. 
Quando percebi que os amigos de meus filhos se perdiam nas drogas, tive medo de que também se perdessem. Decidi então interferir, e tentei fazer com que se mantivessem longe dessa encruzilhada. Comecei retirando na internet algumas informações e imagens que considerei impactantes. Procurei por vídeos de dependentes em crise de abstinência; de pessoas em processo de desintoxicação. Cenas que acreditei ser possível amedrontá-los!

Meu principal objetivo era mostrar a eles o sofrimento e a dificuldade que os dependentes químicos enfrentam para abandonar o vício, e, com isso, tentar evitar que se tornassem usuários. Sempre ouvi dizer que aqueles que decidem parar passam por um processo dramático. Portanto, queria que assistissem aos vídeos e observassem esse processo.

Mas à medida que fui me aprofundando em busca de material, deparei-me com uma realidade completamente desconhecida. Ao perceber que também era ignorante a respeito do assunto, resolvi estudar um pouco mais, e fiquei surpreendida. 

Colhi cerca de 1 000 imagens, e algumas notas superficiais para cada tipo de droga. Organizei como pude as imagens, bem como as informações. Confesso que a cada nova vítima, compartilhava da dor e do desespero.

Assistia pela TV o dilema das mães que não dormiam, procurando seus filhos pelas ruas. E quando os encontrava, tinha de acorrentá-los ao pé da mesa, ou trancafiá-los em um recinto da casa. Cansava de vê-las apelando às autoridades através da TV (sem sucesso) por alguma providência, a fim de que pudessem minimizar o seu sofrimento. Temia que meus filhos fossem alcançados um dia. Na realidade, quando uma mãe vê um filho neste estado, definha junto com ele.

(Anne Silva)